Jacutinga tem sido citada como exemplo para as demais cidades da nossa região

Frente ao aumento de 166% dos casos de dengue no Brasil, Jacutinga foi modelo para Monte Sião nas ações de combate ao mosquito da dengue na última semana. Seguindo orientações da SRS – Superintendência Regional de Saúde, de Pouso Alegre, os agentes da vizinha cidade de Monte Sião entraram em contato com a Vigilância Epidemiológica de Jacutinga, solicitando orientação e apoio para o controle da epidemia de dengue que assola aquele município.

Após o pedido vindo de Monte Sião, a Coordenadora Mariana Menogini repassou via e-mail todas as ações executadas em Jacutinga na luta contra a dengue e se dispôs a se deslocar até aquele município para uma palestra, caso entendessem necessário. Também na ultima semana, foi realizado o LIRA – Levantamento de Índice Rápido, que é o trabalho que se faz três vezes ao ano diferenciado do tratamento focal. No focal os agentes de combate a endemias a cada dois meses passam em todas as casas realizando o tratamento, já no LIRA, o sistema digital sorteia diversos quarteirões da cidade e dependendo do extrato (Jacutinga esta dividido em dois grande extratos, sendo o extrato um todos os bairros acima da MG-290, e o extrato dois, o restante da cidade).

O sistema requer que se faça 20% dos imóveis, enquanto outros pedem 50%; porém, não será tratamento normal e sim busca de larvas. Antigamente chamado de LI – Levantamento de Índice, Jacutinga apresentava queda na quantidade de larvas após os mutirões, mas com o resultado do 2ª LIRA deste ano, liberado na última sexta feira, dia 20 de Março, o cenário mudou e nossa cidade apresentou um índice de infestação elevado, tendo como locais de maior proliferação o considerado D2 – Latas, pet, garrafas, entulho e outros; porém outros locais também tiveram alto índice de larvas, como pratinhos de plantas, deposito de armazenamento e pneus, entre outros. Resumindo, bairros que até então não eram infestados passaram a ser, e a quantidade de larvas coletadas foi altíssima. O coordenador Giovani Grande da SRS – Superintendência Regional de Saúde, de Pouso Alegre, elogiou Jacutinga, pois mesmo com o aumento da infestação o município continuou em médio risco para epidemia, enquanto os demais estão todos em alto risco.

Independente de sermos médio risco é preocupante o aumento considerável da quantidade de focos, e mais preocupante ainda, é que mesmo com o mutirão, a população volta a jogar lixo nos terrenos, e também o fato de encontrarmos os maiores focos dentro das casas. Soa para nós da equipe que parte da população acostumou com o mutirão de limpeza e que esta ferramenta se tornou algo normal, enquanto isso é apenas um diferencial, um trabalho que não deveria existir, visto que se acontece é porque pessoas que deveriam se conscientizar e mantiver terrenos limpos, objetos fora de risco para evitar a proliferação do mosquito dentro das casas, não se manifestam a respeito e ficam aguardando as equipes de saúde para limpar, mesmo sem ser de competência a realização deste trabalho. É de suma importância a colaboração da população para não acontecer novamente. Existem bairros em nosso município que quinze dias após o mutirão são encontrados o dobro de sujeira. Se compararmos o nosso município com o que se vê hoje nas mídias nacionais sobre as epidemias por ai a fora, podemos  dizer que estamos no paraíso em relação à dengue. Porém, do paraíso ao caos é apenas um passo, e se não dermos juntos esse passo, temos grande chance de enfrentar o caos. Um passo para trás nem mesmo para se pegar impulso!